O guia definitivo sobre boletos para MEI

O guia definitivo sobre boletos para MEI

Introdução

O MEI (Microempreendedor Individual) é uma forma de empresa bastante utilizada pelos pequenos empreendedores e profissionais liberais. Nesse modelo de negócio, além da baixa tributação, os processos são menos burocráticos.

Entretanto, o que é uma vantagem também pode ser um desafio, já que muitos pequenos empreendedores não sabem como qualificar o processo de gestão financeira dos seus negócios, diversificando as formas de pagamento e ampliando as suas condições de crescimento no mercado.

Geralmente, o MEI é utilizado por profissionais que trabalham sozinhos e que buscam nesse modelo a possibilidade de legalizar seus negócios. São bons exemplos de profissionais que atuam como microempreendedores individuais os freelancers, prestadores de serviços, cabeleireiros, chaveiros, comerciantes, eletricistas, fotógrafos, entre outros. É possível acessar a lista completa de profissões e atividades que podem se cadastrar como MEI no Portal do Empreendedor.

Entretanto, a grande dificuldade desses profissionais está na gestão financeira das suas empresas, já que muitas vezes eles acabam perdendo seus negócios simplesmente por não oferecerem aos seus clientes formas de pagamento diversas, como por exemplo a emissão de boletos bancários. Pensando nisso, desenvolvemos este e-book com dicas de como funciona a emissão de boletos para MEI, quais são as vantagens desse tipo de pagamento e os cuidados que devem ser tomados para garantir a segurança e a eficácia dessas operações.

Além disso, você vai aprender como calcular juros e multa, garantindo uma cobrança mas eficaz dos seus clientes inadimplentes. Ficou curioso?

Então continue a leitura e descubra como os boletos podem contribuir para o aumento das suas vendas.

Gestão financeira fácil e eficiente, Global Financeiro

Como funciona a emissão de boletos para MEI

O boleto é uma forma de pagamento muito utilizada no Brasil. O documento refere-se a um título de cobrança de valores originários de vendas realizadas ou serviços prestados, podendo ser pago em qualquer agência bancária, casa lotérica ou até mesmo pela Internet via computador ou smartphone. Na prática, o cedente (empresa) emite o boleto e envia para o sacado (cliente) que, por sua vez, pode realizar o pagamento através do código de barras.

Muitos microempreendedores individuais desconhecem a possibilidade de realizar a emissão de boletos bancários para os seus clientes. Entretanto, essa emissão é possível, inclusive ela vem sendo muito utilizada pelos profissionais liberais e prestadores de serviços como mecanismo para aumentar o acesso aos clientes, diversificando as formas de pagamento.

Existem três tipos de boletos bancários: o boleto avulso, o carnê e a assinatura. O boleto avulso é o mais utilizado, sendo indicado para realização de cobranças de forma individualizada. Já o boleto em forma de carnê é uma opção interessante para parcelamentos. Por fim, o boleto em forma de assinatura é indicado para cobranças recorrentes, como mensalidades.

Uma das dúvidas mais comuns acerca da emissão de boletos bancários por MEI diz respeito à necessidade, ou não, de estar associado a um banco para emitir o documento.

É possível emitir boletos sem estar associado a uma instituição bancária. Para isso, basta utilizar uma plataforma específica para emissão de boletos. Esse tipo de sistema permite a geração automática do documento, que, após o pagamento, terá o valor da transação transmitido automaticamente para a conta bancária do microempreendedor individual.

Vantagens de optar pelo boleto

O pagamento de serviços e produtos via boleto bancário oferece inúmeras vantagens para o profissional liberal. Esses benefícios podem facilitar o dia a dia do MEI, simplificando o recebimento dos valores pagos pelas suas vendas ou serviços prestados. Confira a seguir que vantagens são essas e como elas contribuem para a gestão financeira do seu negócio.

  1. Diversificação das formas de pagamento

Oferecer diferentes formas de pagamento facilita a vida do cliente e garante que você não perca vendas. Hoje, muitas pessoas não usam cartão de crédito ou sequer têm acesso a uma conta bancária. Entretanto, para qualquer uma delas, o boleto bancário é uma boa forma de pagamento já que pode ser utilizado por qualquer individuo.

  1. Cobrança impessoal

Os boletos bancários são uma forma de pagamento mais impessoal, já que você não precisa cobrar o seu cliente pessoalmente, podendo enviar o documento via e-mail ou até mesmo pelos correios.

  1. Rapidez no recebimento de valores

Diferentemente dos pagamentos no cartão, em que você demora 1 mês para receber o valor da venda, através do boleto o pagamento geralmente é à vista e o empreendedor recebe o dinheiro em sua conta bancária até 3 dias úteis após a realização do pagamento na instituição bancária.

  1. Possibilidade de oferecer descontos

Outra vantagem do boleto é que ele pode ser utilizado como uma estratégia de mercado para atrair clientes, oferecendo descontos para quem realizar o pagamento via boleto bancário. Diferente das cobranças 1. Diversificação das formas de pagamento em cartão, nas quais as taxas são mais altas e impedem descontos, quando o pagamento é realizado por meio de boletos, os custos são inferiores, permitindo que os empresários concedam descontos no valor final.

Como você pode ver, a emissão de boletos bancários é uma opção interessante para quem quer alavancar os negócios, já que a forma de pagamento está disponível para qualquer pessoa, até mesmo para aquelas que não têm uma conta bancária.

Atingindo um público-alvo maior, o empresário tem mais chances de trabalhar em estratégias de marketing e vendas, melhorando os seus resultados e ampliando as possibilidade de crescimento do negócio.

É importante ter em mente que a emissão do documento deve ser feita por meios seguros, garantindo a eficiência de todo processo e trazendo segurança para que o empreendedor receba o valor de suas vendas diretamente em sua conta bancária após o pagamento do título.

Gestão financeira fácil e eficiente, Global Financeiro

Como calcular juros e multa

Antes de saber como calcular juros e multa em um boleto bancário, é preciso compreender qual é a diferença entre esses dois conceitos.

Os juros do boleto são os valores cobrados sobre o atraso no pagamento de um título. Também chamados de juros de mora, eles representam uma penalização do cliente pelo não pagamento do documento dentro do prazo estipulado.

Além desses juros, o cliente também pode ser obrigado a pagar uma multa, em razão do atraso no pagamento da obrigação.

Segundo a legislação brasileira, a multa por atraso pode corresponder até 2% do valor do título, já os juros de mora devem representar, no máximo, 1% ao mês. Essa quantia deverá ser fracionada, aplicando-se sobre o número de dias de atraso no pagamento.

Como calcular juros e multas

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, o cálculo dos juros e multas deve ser feito com base em algumas regras. No que se refere ao cálculo das multas, a porcentagem deve ser baseada no preço contratado pelo cliente na hora da compra. Ou seja, independente do tempo de atraso, a multa será igual ao valor do boleto multiplicado por até 2%. O resultado desse cálculo é somado ao valor inicialmente devido.

Por exemplo, imagine uma conta no valor de R$ 1.000,00. Para saber o valor total da multa de 2% sobre esse montante, basta fazer o seguinte cálculo: R$ 1.000,00 x 2% = R$ 20,00 de multa. Assim, o valor total do pagamento com a multa é de R$ 1020,00.

Assim como a multa, os juros também têm um teto de cobrança. Eles estão relacionados ao tempo que o cliente leva para realizar o pagamento do documento. Essa taxa deve ser de até 1% ao mês.

O cálculo do valor final deve levar em consideração o valor do título e o tempo de atraso. Ou seja, a cada mês de atraso é necessário somar 1% do valor inicial da dívida.

É preciso considerar um mês de trinta dias que corresponde a 1% de juros. Isso representa uma porcentagem diária de 0,033%. Essa porcentagem deve ser multiplicada pelos dias em atraso, assim, se o cliente atrasar o pagamento do boleto em 20 dias, o cálculo será de 20 x 0,033%. O valor obtido nesse cálculo deve ser somado ao valor do boleto. Vamos usar o mesmo exemplo anterior.

Juros de 1% ao mês, em trinta dias, representam 0,033% ao dia. No caso, de 20 dias de atraso (20 x 0,033% = 0,66%). Assim, R$ 1.000,00 x 0,66% = R$ 6,60. Ou seja, o valor cobrado para vinte dias de atraso com juros é de R$ 1.006,60.

Como calcular o valor total de um boleto em atraso

Para saber o valor que o cliente deverá pagar pelo atraso do boleto é preciso aplicar a seguinte fórmula:

VALOR INICIAL DEVIDO + MULTA POR ATRASO + JUROS DE MORA

No nosso exemplo, temos o valor de R$ 1.000,00 (valor inicial devido) + R$ 20,00 (valor da multa) + R$ 6,60 (valor dos juros por atraso), portanto, o valor final será de R$ 1.026,60.

É importante lembrar que os critérios e regras para cobrança de juros podem ser determinados pelo empreendedor, assim, você pode estabelecer situações específicas para esse tipo de cobrança. Entretanto, caso opte por realizar a cobrança, lembre-se que ela deve respeitar as regras legais.

Conclusão

Como você pode ver, os microempreendedores individuais e profissionais liberais têm a possibilidade de melhorar o desempenho dos seus negócios por meio de uma gestão financeira que ofereça ferramentas de diversificação nas modalidades de cobrança.

O boleto bancário é uma das formas de pagamento mais utilizadas no Brasil, com isso, as empresas que oferecem essa modalidade de pagamento oferecem uma diversificação e ampliam as possibilidades de atingir diferentes públicos.

O uso de plataformas especializadas otimiza a emissão do documento e qualifica os processos na rotina financeira dos microempreendedores individuais. Utilizar esse tipo de solução pode ser um diferencial competitivo que vai influenciar a escolha do cliente pela sua empresa.

Gestão financeira fácil e eficiente, Global Financeiro
No Comments

Post a Comment

Comment
Name
Email
Website